buriedbird (buriedbird) wrote,
buriedbird
buriedbird

Festa da lata

Lá no Porto, no domingo, os estudantes fizeram a "festa da lata". Correram pela rua com latinhas pintadas, se reuniram, tomaram conta da cidade.

Achamos, a princípio, que fosse um protesto. Depois de percebermos que era uma festa, esperamos pelas abordagens inconvenientes, pelas bebedeiras, pela música alta, pela degradação.

Não teve nada disso. Os estudantes se reuniam para conversar e curtir o domingo. Se bebiam, não era com o pretexto de avacalhar nada. Era uma festa de verdade. Era uma confraternização a moda antiga.

Barulho, desrespeito, sexo ao ar livre, nada disso é "cultura". O nome disso aí é subdesenvolvimento. Esse mesmo subdesenvolvimento fez a gente acreditar que a festa era um protesto.

Às vezes você precisa estar um pouco longe de casa pra perceber que vive na merda e que no seu país justamente quem não é pobre procura enfeitar a degradação dos outros, chamando ela de "cultura", de "empoderamento", de "representatividade". O que acontece no Brasil de hoje com os jovens tem somente um nome: degradação. De brinde vem o analfabetismo funcional, do qual brota uma politicalha que não levará nunca a lugar nenhum. Aí você vê professor que da aula em escola particular ou universidade "emocionado com ocupação", dando aula em ocupação etc.

Realmente, é facinho encarar esse mundo meia dúzia de vezes por ano. Eu queria ver esse povo levando cuspe na cara de aluno arrogante e burro o ano inteiro. E depois falando em "representatividade" e o caramba a quatro.

O buraco é bem mais embaixo: estamos no limiar de nos transformarmos em uma espécie de Índia, com suas castas, e com o bônus de um discurso de esquerda mais do que esvaziado: um discurso cheio de má fé, porque oriundo justamente de uma "casta" cujo estilo de vida passa longe das massas. Afinal quem é mesmo que acorda as quatro da manhã? Os intelectuais jamais.

(Sim, eu ouvi de um fulano "super de esquerda" que passou de forma mais do que escusa em um concurso da universidade pública que a cabecinha dele "não funciona de manhã").

Democracia é vida digna pra todo mundo, não é exaltação da degradação e da miséria não. Há uma tendência a achar que disciplina e seriedade são coisas "burguesas", da direita, e que bastam boas intenções para que a educação brote do nada, e com ela todo o Iluminismo junto. E esse discurso vem muitas vezes do mesmo professor que da aula naquele colégio super rígido pra alunos ricos, do mesmo professor que cobra "rigor" dos alunos na universidade. Basta ele abafar a má consciência dele em algum projeto na periferia, duas vezes por ano, que tá tudo certo.

Num país em que o Dória foi eleito pela periferia, o que dizer, o que esperar? Assim como não tenho rabo preso, não tenho esperança.
  • Post a new comment

    Error

    default userpic
  • 0 comments